sexta-feira, junho 05, 2009

a avó de Bob Dylan e eu


"abrazo tibio
abrazo tibio
amigo lindo
amigo lindo

charlar contigo
charlar contigo
sertir tu abrigo
sertir tu abrigo

be kind, for everyone you meet is fighting a hard battle

llorar de risa
llorar de risa
perder la prisa
perder la prisa

cantarle al viento
cantarle al viento
perder el tiempo
perder el tiempo

be kind, for everyone you meet is fighting a hard battle

amigo lindo del alma..."

(Be kind, de la abuela de Bob Dylan y Daniel Drexler)

...

Vamos combinar assim: que eu vou voltar a ser o que eu sou e deixar de ser essa pessoa chata que tenho sido? essa pessoa carrancuda, atarracada, abarrotada, amassada, atrapalhada? Vamos? Vamos voltar à leveza, à beleza, às sutilezas? Vamos? Vamos?

É pusque eu preciso saber da piscina, da cajuína, da cilibrina, da Adamantina, da jacutinga. Eu preciso saber de mim. De mim. De mim, beibi.

E eu como vou como vai como vem? Eu vou indo e você como vai? E você como vai eu vou indo e você?

Eu tava aqui lembrando daquele dia que eu digitei a senha do banco no microondas, vejam só, e me quedando de risas. Me quedando de amores, mi amores. Por que me miras se não me sacas para bailar? Ai ai caramba, carambolas, cara caramba cara cara-ô. Minha mente é uma jukebox desgovernada, eu já disse? Não, eu não disse. Outro dia mesmo eu tava cantarolando aquela música do Yahoo: "eu não quero touca em você ó beibi". Pamonha pamonha pamonha. Vai pamonha vai cural vai mingal vai lacraia! Não, eu não fumei um porro um perro um brau um James Brown com vocal, brôu. Nem o carlinhos brau nem o caralhinho que me carregue. "Eu só quero você e mais nada", beibi. E pepeu. Eu e você você e eu. Juntinhos. Na rua na chuva ou na fazenda. Mas no final do mês tem carnaval.

Tocou a campainha.

Acabou o recreio.

OU tá só começando.

# . por Joelma Terto .  0 Comentários