segunda-feira, agosto 27, 2007

cabine confortável, espaço para acompanhante
Vá num consultório - dentista, dermatologista, ginecologista, quiropaxista - ou salão de beleza mais próximo da sua casa. Procure uma revista Caras, edição de 24/08, abra na página... na página... na página... (diabos, essa revista não tem páginação!), enfim, abra na metade da revista e vá folheando, calma e delicadamente. Encontre uma matéria com os cosplayers da foto de uns posts abaixo. Vire a página. Olhe atentamente. PIMBA! Eu estou lá, todalindatodatudapontocom, com nome e sobrenome. Não me perguntem como, mas estou. Se preferir comprar a revista (hello! é claro que eu comprei, porque não é todo dia que a gente aparece com nome e sobrenome numa revista de circulação nacional, não é mesmo?), você ganha uns posters do Renoir e um paninho (!) com um decalque (!!) do Klimt pra usar, suponho, na sua bandeja de prata (!!!). Mamãe e papai vão morrer de orgulho de mim, que eu sei.

...

Manhã fria e ventosa. Apressada e atrasada, encontro o zelador debruçado na grade, com o olhar perdido num horizonte que não existe. Ao meu bom dia, ele responde com um suspiro e uma explicação: "Tava aqui olhando as folhas caindo no chão. Tão bonito. Parece Londres...". Eu comentei algo sobre a beleza da rua (República quase esquina com Lima e Silva) em todas as estações, especialmente no inverno com aquelas árvores em copa (são ipês, meu deus? e eu falei mesmo a expressão inexistente "árvores em copa"? duvido) e fui-me pensando em referências. Referência é o que faz o zelador do meu prédio comparar a rua em que moro, em dia ventoso e frio, com uma Londres que, provavelmente, ele nem conhece.

...

Desde sábado meu escritório é no Parque Assis Brasil, em Esteio. Faça chuva (muita chuva), faça sol, aqui estou eu. Com os tratorzinhos, as vaquinhas, as ovelhinhas, os porquinhos e os cãezinhos adestrados - sim, existe uma prova bizarra de cachorros adestrados que faz o maior sucesso. Eu acho que sobrevivo até o próximo domingo. Acho. Certeza mesmo só uma: de tédio eu não morro.

# . por Joelma Terto .  0 Comentários