terça-feira, junho 12, 2007

metropolitan
mais um tríptico. para Belly.
no Self Portrait Tuesday.


"Eu devia ter terminado tudo ali mesmo, mas o Natal era dali a duas semanas. Na véspera de Natal, Dudley oficialmente me pediu em casamento, com um anel de oito quilates, diante da minha família inteira. Sempre havia alguma coisa de desagradável no que ele fazia, e no seu melhor estilo Dudley, ele escondeu o anel em um bombom Godiva e me entregou a caixa.

'Eis o seu presente de Natal', disse ele. 'É melhor começar a comer.'

'Não quero bombons agora', disse eu, lançando-lhe o tipo de olhar que costuma fazê-lo calar-se.

'Pois eu acho que quer', disse ele, de um jeito um tanto ameaçador, então comecei a comer. Minha família assisitia à cena, horrorizada. Eu podia ter quebrado um dende, ou pior, me engasgado. Mesmo assim, eu disse sim."


O trecho acima é o melhor do livro Sex and the City, de Candace Bushnell. Na verdade é um dos pouquíssimos trechos bons de todo o livro, que é ruim. Ponto. Sex and the City, o livro, é ruim. Na verdade, eu não sei se é a tradução que é simplória demais, com vocabulário pobre e, muitas vezes, sem sentido. As histórias que não engrenam, os personagens que não convencem. Detalhe: o livro é uma compilação dos artigos da autora, que inspiraram a série. E talvez para uma pessoa apaixonada pela série, é aí que mora o xis da questã. Não estão ali a Carrie, a Samantha e a Miranda da série (Charlote aparece só uma vez). Essas, do livro, são um esboço. Pior: essas não têm nada a ver com as da TV. O Stanford, vejam só, é cabeludo! Talvez o Mr. Big do livro pareça um pouquinho com o personagem da TV, mas quando ele diz um "Ai, caramba" na página 295, fede. "Falou", responde Carrie a uma garota num capítulo que não lembro e eu pergunto: "UÁTA?". Em outra passagem, uma mulher diz um "muito obrigadO", e foi aí que eu perdi todo o respeito.

Vejam a série. Não percam muito tempo com as poucas tiradas do livro.

...

Em tempo: morram com as roupas da Carrie. E com as sandálias do Manolo. Tudo via Radar 55, course.

# . por Joelma Terto .  0 Comentários