quinta-feira, abril 19, 2007

Frustração é meu sobrenome
Eu não sou azarada. Só porque a máquina disparadora de raio laser quebrou justo na hora da minha cirurgia? Ná. Falta de sorte é para losers. Eu sou uma vencedora. Ademais, o médico disse que amanhã pela manhã ele pode fazer a cirurgia lá na clínica dele. Em Sapucaia do Sul. Já convenci Nilza, a faxineira, a ir comigo. De Trensurb. Na verdade eu posso ir sozinha. Voltar é que é o problema porque, parece, a pessoa sai mais cegueta do que quando entrou. Eu vou levar a alemã grandona e dizer que ela é minha tia. Simples assim.

Se a minha vida é uma piada? Capaz!

Pior que a frustração que estou sentindo, só mesmo o constrangimento de ficar com aquela roupinha verde ridícula, cinco números maior que o meu, de touquinha e tudo, numa sala de espera ao lado de outro paciente também de roupinha verde ridícula e touca. E ainda ser obrigada a ficar ouvindo, de BG, a Antena 1. Vocês não têm noção: tocou Bee Gees, tocou Simple Red (uma daquelas musiquinhas de trilha sonora de novela das oito do Gilberto Braga com a Malu Mader, sabem?), tocou até algo que eu acho que era a Glória Stefan! Por deus do céu.

Quando o médico apareceu, uma hora depois, dizendo que a máquina quebrou e que o conserto deve levar umas duas semanas porque, vocês sabem, "vem o ténico de sum paulo", ele poderia ter lido na minha testa, em neon piscante: FRUSTRAÇÃO - FRUSTRAÇÃO. Na verdade ele poderia ter lido FRUSTR porque minha testa é pequenininha e não cabe a palavra inteira.

É.

Continuem torcendo. A saga segue amanhã pela manhã, então. Porque, afinal de contas, o ritual simbólico da incineração das lentes de contato já está confirmado para a noite de sexta.

# . por Joelma Terto .  0 Comentários