quarta-feira, março 28, 2007

"Largue-me, seu brutamontes" - um post intimista
- Vocês já se deram conta, alguma vez, de repente, escovando os dentes e se olhando no espelho, remelenta, pela manhã, que estão, sim, vivendo um momento ótimo na vida de vocês? Daqueles momentos que não tem lugar pra muito sofrimento desnecessário e pensamentos tolos? Que você consegue pagar suas continhas em dia, não anda mais no vermelho e faz até umas economias? Que atrelado a isso, você ainda trabalha num lugar fantástico, cheio de gente realmente fantástica, que você aprendeu a amar, mesmo que a labuta seja dura, porque, afinal de contas, viver não é, assim, um muffin? E que, como se não bastasse, você também tem um homem pra chamar de só seu, que é mais que companheiro, é cúmplice pra absolutamente tudo, que te afofa de beijos todo dia ao acordar e repete, quando você reclama ao espelho: "não, meu amor, você não está gorda, você é linda, sempre"? Já? Desculpa, tá?

- De qualquer forma, convenhamos: o mundo não é, definitivamente, um lugar justo. E eu lamento por isso. Por mim e pelo resto da humanidade. Ponto.

- Eu só precisaria de uma coisa no dia de hoje pra ser uma pessoa um pouquinho mais feliz: Alberta Hunter. No volume máximo.

- Continuo pedindo a Deus, todos os dias, pra me dar paciência e tolerância. Paciência e tolerância. Paciência e tolerância. Ad infinitum.

"Às vezes eu acho que o mundo é uma cabeça e que nós estamos dentro de uma cabeça que nos sonha"
(Eddie, em Videogamesongs. A frase musical mais citada no monomulti, desde 2002)


# . por Joelma Terto .  0 Comentários