terça-feira, maio 03, 2005

Voltando para o Kansas
ou
muito além do arco-íris


Obrigada, Carolzinha. Por ter tido a atitude de fazer uma coisa que eu e o 77 queríamos fazer há, pelo menos, uns dois anos. Estou falando do The Dark Side of the Oz - as incríveis sincronicidades entre o disco The Dark Side of the Moon, do Pink Floyd (1976) e do filme O Mágico de Oz, de 1939. Pois domingo à noite fizemos a experiência lá em casa - eu, 77, Carol, Erica e VG, bem instalados na sala cor-de-rosa.


Somewhere Over the Rainbow...


E é incrível!!! Mesmo para quem, como eu, já havia lido muito sobre e já conhecia, na teoria, as sincronicidades mais visíveis.

É impressionante. Literalmente, arrepiante. O que dizer quando, lá no finalzinho do filme, Dorothy bate um sapatinho de rubi no outro e quando volta, finalmente, pra casa, o cd está tocando o final de Time ("home, home again..."). Óbvio demais? pode ser. Mas não deixa de impressionar, ainda mais se pensarmos que já estamos no 3º repeat do disco. As sincronicidades acontecem o tempo todo, em menor ou maior grau. E são muitas.

O filme, sozinho, já é um achado. Totalmente lisérgico e ao mesmo tempo com uma moralzinha besta de americano "corretamente correto". Voltando à parte boa do filme: o que são os cenários, os figurinos, a fantástica terra dos munchkins, os efeitos e algumas falas? TOTALMENTE!

Legal também é relembrar que sim, você já viu aquele filme quando era bem criança, na sessão da tarde, e mesmo não lembrando de muitos detalhes, algumas cenas te marcaram e estão bem vivas na tua memória. E se algumas cenas te voltam com uma cor incrível, outras coisas te passaram completamente batido ou você era criança demais pra entender. Como o caráter visivelmente homossexual do Leão Covarde. E, deus, como é chata essa menina Dorothy!

Em uma palavra: DOIDERA. Em estado puro.

Divertido pra caramba. Chapação na cabeça até umas horas. Cenas que dão medo, muito muito medo. MUITAS COISAS. E nem cabe aqui dizer que esse disco do Pink Floyd está na Top Five da minha vida...

Quero repetir a operação. Eu recomendo, crianças. Só cuidem de ir sempre pelo caminho dos tijolos amarelos. Cuidem.

# . por Joelma Terto .  0 Comentários