sexta-feira, abril 01, 2005

Aventura no Centro-Oeste

Existe na firma uma agenda regular de viagens aos interiores do Brasil para acompanhar um cliente em feiras do seu setor. Nessa brincadeira, em 2004 pude conhecer, por exemplo, o Mato Grosso e Goiás - estados que até então eu não tinha me aventurado. O trabalho é cansativo, exaustivo, puxado, mas é legal. Bom sair um pouco da rotina do escritório, conviver com outras pessoas, conhecer outras paragens e ter um extra na conta no fim do mês. Eu curto sim.

Pois nessa segunda começa oficialmente meu roteiro 2005. O destino: uma cidade no interior de Goiás que tem cor no nome - e isso é só pra poder soar um pouquinho poético já que de poética a cidade não tem muito. Na bagagem: além de alguns livros para as muitas horas de vôo e as raras horas de ócio à noite no hotel, um cocá e um apito. É sempre meio de índio a programação. Mesmo assim, eu sigo curtindo.

Mas confesso que quando soube que havia sido escalada para a determinada cidade deu um calafrio de lembrar os maus momentos que passei na volta da última vez que fui pra lá. Ok, a triste história da viagem de volta já tá gasta de tanto que eu já repeti, então nem cabe aqui. Cabe só um resumão uma hora dessas, pra sentir o drama, e olhe lá.

Também foi lá que esqueceram de mim, numa manhã, e peguei uma carona no táxi mais estereótipo que jamais entrei, que era tão tudo de kitsch que até cachorrinho que balança a cabeça tinha no painel. Pois é...

Antes que eu comece a divagar... É isso, crianças! Vem aí uma semaninha atípica, longe de casa, das minhas cobertas, do namorido, do Gugussauro e do Nemo. Loguinho estou de volta. Com histórias pra contar. Ou não.

# . por Joelma Terto .  0 Comentários