quarta-feira, março 30, 2005

literatices

Choveu ontem à noite em Porto Alegre bem na hora que saia do trabalho pra casa. Peguei uma carona até a Nova Olaria e enquanto esperava a chuvar passar, fiquei na Bamboletras. Pra quem não é daqui, a Bamboletras é nossa mini-Fnac, assim, simplificando. Apesar de bem pequenininha, tem um acervo que não deixa a desejar a nenhum livraria Cultura da vida. Além de ser charmosinha na sua simplicidade e estar localizada no centro comercial mais cool (sic) do bairro mais boêmio de PoA, a MINHA Cidade Baixa.

Muito legal flanar de uma pequena estante à outra e encontrar TODOS os livros que quero ter e ler um dia. Todos os Calvino, vários Cortázar, alguns Leminski, Lispector & Caio F. & muito mais que eu não vou lembrar agora. Na verdade, meio desesperador e triste, já que você sabe que não tem dinheiro pra comprar tudo aquilo.

Na verdade mesmo, triste é sentir essa tremenda falta que eu sinto de BIBLIOTECAS e até de SEBOS legais onde se encontre coisas realmente boas e a preço convidativo. Sinto. Sinto muito.

Em tempo Esqueci de dizer por aqui: uns dias atrás ganhei um baita presentão do namorido. Ele havia prometido me dar uma coisa que eu QUERIA MUITO, mas só ele sabia onde tinha. Fiquei uns dias me corroendo de curiosidade, mas quando vi o pacote da Livraria Saraiva, os olhinhos brilharam só de imaginar.

Sim, era mesmo o que eu esperava: PERGUNTE AO PÓ, do Fante. Uma edição da José Olympio, tinindo de nova. Eu, que tanto procurei esse livro, perdi o bonde a certa altura da história e desconhecia o fato dele ter sido relançado em 2003. Tô boba de feliz e louca pra começar a leitura. Agora que não vejo mais novela vou conseguir dar cabo de uns tantos títulos que estão esquecidos, intocados na estande. Boas perspectivas.

# . por Joelma Terto .  0 Comentários