quarta-feira, março 23, 2005

iemai-odeon

"Fala mais baixo por favor que eu acabei de acordar
Liga esse som que eu quero ouvir Alberta Hunter cantar
(...)
Luz entrou pela janela, Alberta Hunter cantar..."
(Nara Lisbôa)

Eu ainda tenho fitas k7 e gosto delas. Cada uma tem sua história e posso lembrar exatamente quando foi gravada. Toda aquele cuidado em escolher o repertório e contar o tempo pra não sobrar nem acabar a fita na metade da música, soltar o pause no momento certo, sem cortes bruscos. Técnicas. Coisas do tempo da minha adolescência. Coisas de quem tem mais de 28, vocês sabem.

A Driquinha compartilha comigo desse saudosismo-toca-fitas e outro dia a gente conversava sobre isso. E esse papo vem à tona porque depois de horas tentando achar alguma coisa da Alberta Hunter no kazaa, a Drica me aparece com uma fitinha: lado A e lado B, todinha da Alberta Hunter. É o que eu tenho ouvido ultimamente. No repeat manual, igual ao que eu fazia com meus velhos discos do Guns n' Roses num passado que parece tão distante, quando eu ficava ouvindo Patience e I Use to Love Her nesse tal repeat manual. Meu velho 3 em 1. Reminiscências. Reticências...

(Sim, eu gostava muito do meu velho 3 em 1 e ainda gosto das minhas fitas. E dos meus discos, que também ficaram pra trás, na mudança mcz-poa. Já prometi trazê-los na próxima ida.)

Esses dias fiquei triste porque perdi a preferida: Mil e Uma Noites de Bagdá, do Jorge Mautner. Menos mal que a Rafinha tem o cd - pego e gravo de novo, dessa vez em mídia mais muderrrrna. Falando nisso, outro dia ele cogitou: "por que tu não passa tudo o que tu tem em k7 pra cd?". Fiquei pensando na idéia e já decidi que vou fazer, aos pouquinhos, mas dói um pouco me desfazer delas. Dói um bocado, na verdade. Me desfazer delas é quase como me desfazer de uma época e começar a desgrudar de algum canto da minha memória fatos & pessoas que sobem à borda quando olho pras minhas fitas.


"Sou a rainha do Egito
Sou a filha do Faraó
Sou como dessas meninas que namoram a Lua e o Sol"
(Nelson Jacobina e Jorge Mautner)

# . por Joelma Terto .  0 Comentários