terça-feira, fevereiro 01, 2005

Viva Rubinho! Rubinho vive!

O Forum acabou mesmo. Ainda tem uns viventes por aqui, mas logo vão todos embora e Portinho - como chamam alguns, eu fora - volta ao normal. Aliás, fica deserto, já que o Carnaval insiste em acontecer nessa época do ano.

(Depois de viver a festança em Olinda, nada mais faz sentido. Mas enfim.)

Eu nem comentei nada aqui sobre o velho FSM, mas também nem tenho o que falar porque, afinal de contas, não fiz parte de nenhum eixo temático, não cobri, não participei de nenhum protesto ou passeata, não... Fui uma noite no acampamento da juventude (o oficial) e passei de novo por lá num fim de tarde. O suficiente pra não querer botar os pezinhos no barro do Parque da Harmonia de novo por uns 3 anos. Energia ruim e aquela hiponguice, no pior sentido da palavra, que ronda o lugar forever. Sem falar que na noite, acabei parando no Laboratório de Conhecimentos Livres e o Gil tava lá e acabou cantando, o que me fez sair correndo de medo que ele começasse a tocar aquelas versões pavorosas do Bob Marley. Mas enfins.

Dentro do espírito Fauna Social Mundial ficam as pessoas mais próximas. E as distantes também. Fica a integração com quem deu para interagir e o domingo à noite, quando os Snuff Puppets invadiram a cidade Baixa e pararam o centro do mundo (a saber, a esquina da Lima e Silva com a República). Os caras são ótemos e temos fotos, que não sei se serão publicadas um dia. Porque, enfins.


Snuff Puppets 2000
Photo: Carla Gottgens
www.melbournefringe.com.au


Eis pois o e-mail de Rubinho à Tia Drica, que traduz um pouco. De alguma coisa:

Ave, Drica. Ontem eu rodei a baiana na rodô, reclamei com Deus e todo mundo e consegui viajar às 12h15min. Ufa. Meu primeiro axé vai para a Dona Nara, que deu à luz a estas duas maravilhosas criaturas do Mapa Humano Global (MHG). Outros tantos vão para o Rafa, Jorginho (se ainda estiver por aí), Roger, Back Boni, 77, Rafa girl, Chuca e a Jô, aquela rainha da simpatia que passou mal no sábado. Direitos aos gays, contra o massacre de armênios na Turquia, Marquinhos somente nas novelas, tampão na boca dos PSTUs, contra o agente laranja no Vietnam, merda para o Grêmio, pelo fim do tráfico de seres humanos e das castas na Índia, legalização das drogas (muito importante), futebol para todos, churrasquinho de gato a miados (preços) populares, saída do Fulano de Tal da Revista Sem Nome*, e por aí vai.

Patria libre venceremos. Besos,

Rubinho Chavez**


* os nomes foram preservados, pra evitar que o Google meta o nariz onde não foi chamado
** o sobrenome do Rubinho é mesmo Chavez. Eu, achando que fosse piada...


# . por Joelma Terto .  0 Comentários