domingo, março 14, 2004

don't touch me

Há cerca de um mês, quando fiquei sabendo da viagem, esperava o momento de colocar esse título aí, bem em cima.

Desde que vim morar em Porto Alegre, me impressiona a quantidade de nomes absurdos que esse estado tem dado aos seus municípios. O Hermano citava, outro dia, Faxinal do Soturno como exemplo de nome esdrúxulo de cidade. Hermenegildo - acreditem, há uma cidade ao sul chamada assim - sempre me causou ânsia de riso. Careço de memória no momento para citar mais pérolas, mas posso garantir que Não-Me-Toque, certamente, é the best.

E é com mórbido prazer que anuncio que, daqui a poucas horas, rumarei eu para uma surpreendente experiência antropológica. Sim, Não-Me-Toque me espera. Eu vou passar, simplesmente, uma semana inteira nessa cidade. Claro que a indiada só podia ser a trabalho. E estou sendo paga, é bom que se diga - e bem! - pra isso. Razão pela qual nem arranquei os cabelos na hora de desembolsar uns reais pra comprar um cocá novo, um apito, e um par de arco e flexas, instrumentos importantíssimos pra minha sobrevivência na empreitada que me espera.

Sinto deixá-lo (ele) sozinho na cidade (no caso Porto Alegre) por tanto tempo. Sinto deixá-la (a minha casinha) nesse momento em que ela está começando a ficar tão lindinha e aconchegante. Mas empreendirei bravamente mais essa. E espero voltar - sexta ou no mais tardar no sábado seguinte - bem, faceira e sem escoriações. Umas histórias pra contar até que cairiam bem, mas não garanto.

Cuidem-se. Tentarei manter contato.

# . por Joelma Terto .  0 Comentários