sexta-feira, setembro 12, 2003

ÔXE! ou O CAUSO DO CUSCUZ

A Maravilhosa Cozinha Simulacro da Joelma começa a fazer escola. Diz o Lucas (também conhecido como Cucas e, atualmente, como Amarelo) lá das bandas de Maceió, no seu Causo do Mambembe Número Dôzimo: que outro dia fez CUSCUZ SIMULACRO. Eu juro que emocionei e que não esperava por isso – ver esse galego-gaúcho-polaco fazendo cuscuz em Maceió. Com ajuda luxuosa da minha irmã Erika (que por acaso é paulista) e do Thiago (que por acaso é carioca baiano, criado no Rio Grande do Sul, mas que mora em Maceió, e que não é o Sem Nome, que é gaúcho, mas mora em São Paulo).

Pois até um tal de arroz frito o guri anda fazendo! Vale ressaltar que não é o arroz frito da Sinhazinha (que nasceu em Passo Fundo, tchê) mas algo reciclável – sobras de arroz, frito com manteiga e hambúrguer. Dilícia de creuza.

Por falar nisso, quem anda pelejando pra fazer um autêntico cuscuz nordestino é a minha amiga baiana Paulete, lá em Londres. Mas isso é uma novela que já dura pra lá de um ano. Essa mesma pessoa supracitada, quando veio me visitar nos pampa gaúcho (aliás, a título de curiosidade, foi a primeira visita from mcz que recebi) trouxe uns pacotes de farinha de milho made in Olinda (e um cd do Mopho, banda psicodélica alagoana e não-comestível) que nunca viraram cuscuz por falta de uma cuscuzeira por essas bandas.

Pois não é que esses dias, em pleno centro da capital gaúcha, procurando PANELAS, acho umas belas de umas cuscuzeiras* (de teflon!), numa loja chamada A CARIOCA? Tu veje.

E esse post tá mais embolado que polenta de nordestino. E cosmopolita que só a gota serena e a boba da peste.

* a cuscuzeira não foi comprada. porque cuscuzeira e rede são dois itens fundamentais para minha futura casa nova que serão trazidos de mcz, quando eu for lá de novo, num futuro próximo não muito distante.

# . por Joelma Terto .  0 Comentários