quarta-feira, maio 21, 2003

A valorização da forma. A arte pela arte.

(A pedido. Só porque foi tu – risos. Aí o tal poema-trash-manifesto-CUSPA)

Parnaso
Quente
Diverso
A forma que oscila entre o vórtice e o verso
Basta de romantismos e mortais palores
Queremos o verso que seja reto
Mas que objete-se em curvas mudas
Denso e seco
Um Martini, por obséquio
Um ósculo e um amplexo
Chegue mais perto
Deixa ver-te
...
(Cráu)
Já era.
Quero mais é te sorver
Apolo? Ná. Eu quero é Dionísio!
(Vem delícia. Agora! Que eu quero te amar. Chá-chá-chá)

(Porque o que parece difícil nem sempre é tão difícil. Ou: a gente pode te ganhar com versos fáceis.)

# . por Joelma Terto .  0 Comentários