sexta-feira, maio 23, 2003

FLOR AZUL
(Marillene Hanacletus*)

Já fui semente, já fui pó,
Já fui árvore, já fui céu.
Hoje sou flor, e flor azul,
Tenho o formato de estrela
De cujo pó me tenho feito
E retornarei em estado perfeito.

Como azul, também sou mar
E se quiser, céu infinito,
Até estrela, para quem ama,
Quando o amado me dá à dama,
Sente-se tal deusa do antigo Egito.

Minhas folhas são ovaladas,
Feito sementes de amendoim.
Meu lar é sol, é chuva, é vento
E, meu mais nobre sentimento
É quando um olho de amor sereno
Pára, respira e contempla a mim.

Então eu vivo o contemplamento
De sermos dois e sentirmo-nos um.
Ser outra coisa nesse momento?
Não. Apenas a flor, a estrela azul.

Se retornar?
Posso ser flor, ou estrela, ou gente,
Quem sabe nuvem, ou a semente
Gerando cores do Amor Maior.

Quem sabe então a planta que cura
Ou a hóstia tão branca e pura
Servida no Altar do meu Senhor.


BLUE FLOWER
BLUE FLOWER by Jacqueline Riley

* Bacharel em Letras - Habilitação em Espanhol pela UNIVALI, Professora de Língua Espanhola e LínguaPortuguesa. Cursa, atualmente, Formação Holística de Base pela Universidade Holística Internacional - Unipaz Sul - Florianópolis.

...

Achei isso aí meio por acaso, mas rolou aquela identificação, sacas? Eu procurei, procurei, procurei. E de repente achei. Me olhei no espelho e era eu: toda azul, a flor que procurava. E só me dei conta depois d’ele. Depois que ele apareceu e me chamou (chama), tão lindamente, de “minha florzinha azul”. E me presenteia com milhares delas. Remexidas, alteradas. Chega sempre com uma surpresa, escondida atrás das costas, esse meu pequeno grande floricultor virtual... Deixa sempre uma surpresa - um bilhetinho azul (não de despedida, como canta Cazuza), um cartão verde dentro da geladeira - quando vai embora...

(post alterado: dei bobeira nos créditos e a autora da obra ralhou comigo. sorry, miss Riley...)

# . por Joelma Terto .  0 Comentários