segunda-feira, abril 07, 2003

TPM

ó félia!!

“Não encosta em mim que hoje eu não tô pra conversa. Seus olhos estão em brasa. Fumaçando, fumaçando, fumaçando. Fumaça! Não saque a arma não, a arma não, a arma não, a arma não, a arma não. Já ouvi, calma! As balas já não mais atendem ao gatilho, já não mais atendem ao gatilho. Já não mais atendem” (Chico Science e Nação Zumbi)

...
TPM é uma merda mesmo. E esse fim de semana rolaram várias conversas sobre. Tudo muito engraçado. Pena que agora não tenho tempo pra escrever e depois isso vai se perder do contexto. Mas vale dizer que ontem, eu e a AdriDeffenti tentamos, em vão, explicar para um alemão o que é a tal sigla. Como ele não conseguia entender, de jeito nenhum, chegamos à conclusão que as mulheres alemãs não sofrem de TPM (!). E tivemos uma brilhante idéia: exportar manga e TPM pra Alemanha. (A gente acha que vai ficar rica e famosa). E eu ainda me arriei na cabeça da criatura dizendo coisas absurdas do tipo: “tu sabia que se uma mulher cometer um homicídio enquanto está na TPM, ela pode ser absolvida?”. Póbi.

Eu podia falar mais um monte disso aqui, mas a minha irmãnzinha Erika já cometeu um post recente sobre isso e eu só assino embaixo. É incrível como a gente fica nesse estado. Até uns anos atrás eu dizia pra quem quisesse ouvir: “TPM? EU? EU NÂO SOFRO DISSO!”. Ilusão. Daí comecei a relacionar algumas mudanças de humor ao período e foi batata. Eu fico num mau-humor do cão. E se tu chegar pra mim e disser: “tu é feia e boba”. Eu respondo: “È TU!” e caio no maior chororô. É, a gente fica (mais) sensível também. E inchada. E, no meu caso, saltam várias espinhas (acne) da minha cara e eu tenho vontade de sair de casa com um saco enfiado na cabeça e toda roupa que eu coloco acho que não tá legal. Não é frescura não, é sério.

E tem ainda as malditas cólicas, que a Erika também falou. Eu sofria horrores quando era mais nova. De ficar de cama (no meu caso não tomava Ponstan não, era Novalgina mesmo, sem trocadilhos imbecis por favor, que eu tô falando SÈRIO!), achar que ia morrer de dor e faltar aula. Minha mãe, sádica como ela só, dizia: “te preocupa não, quando você tiver um filho, passa”. Hohoho. Engraçadinha. Só sei que não precisou parir nem nada, só passar de ¼ de século, pras coisas se amenizarem.

Então, só por hoje, falem baixinho comigo. Amanhã já estará tudo melhor. Mas mês que vem, acontece de novo, tudo de novo.


# . por Joelma Terto .  0 Comentários