sábado, fevereiro 01, 2003

'Cause it's not going to stop 'Til you wise up

O mais legal de tudo é que cada pessoinha que passou aqui em casa, nessas semanas de loucura, foi embora com um pedaço de mim. Me levaram junto, de alguma forma. Engraçado ouvir da Thalita: “a Gabi tá certa, tu é perfeita, Filéu”. Sou nada. Mas será que alguém acha isso mesmo? Ou a Manhana dizer que “aprendeu” muito comigo, com a convivência comigo esses dias. Que se fosse ela, no meio daquela bagunça, teria enlouquecido ou mandado todo mundo embora. De ouvir cada agradecimento, de ver cada sorriso e receber todos os convites de “portas abertas” quando eu me aventurar de novo pelas estradas do Brasil (e do mundo). De ouvir de cada pessoa que minha casa é acolhedora e que é a minha cara. Gosto tanto desse cantinho aqui, dessa caixinha que me abriga, desse pequeno espaço que não me cabe, mas cabem todos os meus sentimentos, que são tantos. Que coube tanta gente. Continuo aqui. E nem sei mesmo se queria ir. Talvez sim. Talvez nada esteja fazendo qualquer sentido, mas eu continuo, porque... quem sabe? Nem é saudade mesmo, agora eu sei. Pode ser. Saudade do que nunca existiu. Do que não passou por aqui. Quem é que sabe?
...

“She's been a long time on the phone
Courting disaster in an undertone
She's feeling nostalgic, I'm feeling that fall
How could anyone ever fight it?
Who could ever expect to fight it?
When she builds that wall”
(Aimee Mann)


# . por Joelma Terto .  0 Comentários