domingo, janeiro 26, 2003

No que sigo meu caminho

Ontem, eu e a Ana entrevistamos um israelense (lindo e de belos olhos verdes, por sinal), nômade, e que percorre o mundo a cavalo junto com os Nomads United. Eles se denominam Caravanas Nomadicas Ecológicas. E quem tiver interesse em conhecer, vê lá o site ou vai amanhã (dia 27) às 14h, na sala 701 do prédio 40, da PUC.

Passamos horas conversando com ele e ele falou coisas absurdas de tão pertinentes, como “a única coisa que a gente precisa é comer”. É verdade. Pra que raios eu quero coisas?

Recebi convite de ir pra Bahia, na volta. Mas não rola. Uma merda. Uma merda ter coisas. Ter uma geladeira e não poder dobrá-la e botar debaixo do braço.

E tem um monte de coisas mudando. Tudo muito vivo, mas sem muito sentido (razão de ser ou não ser). Tomar atitudes será necessário. Não sei o que vai acontecer quando acabar tudo isso, mas vai acontecer. A começar por isso aqui. Esse blog. Mas não sei de muito.

“Abra um parêntese, não esqueça: que independente disso, eu não passo de um malandro, de um moleque do Brasil, que peço e dou esmolas” (Novos Baianos)


# . por Joelma Terto .  0 Comentários