sábado, janeiro 04, 2003

MÁGICA
(Os Mutantes)

Gira ciranda
Na palma da mão
Pé de roseira
Levanta poeira do chão

Gira menina
Na palma da mão
Gira menina que um dia
Eu te ponho no chão

Abri o portão de ouro
Da máquina do tempo
Ouvi ciranda ao longe
A rodar...

As caras giram rindo
Eu amo todas elas
Os vestidos tão compridos
A rodar...


Gira menina na palma da mão
Pé de roseira levanta poeira do chão
A rodar...

.................

Também adoro MUTANTES. Muito. Todos os discos. Me identifico. Viajo horrores. Sempre. E dentre tantas coisas que ouço hoje, agora, Mutantes. Mutação. Constante. Sempre um descobrir. Sempre um reviver. Sempre um refazer. Sempre um re-descobrir.

Hoje estou Mutantes. Aquele disco, o segundo. 1968.

Hoje estou Mágica. A rodar, a rodar, a rodar. Estou Fuga N° II (“Hoje vou fugir de casa vou levar a mala cheia de ilusão/Vou deixar alguma coisa velha esparramada toda pelo chão (...) O sinal está vermelho e os carros vão passando e eu ando, ando, ando...”). Estou Dia 36 (“Esquece não pensa mais/Lenço azul a apertar (...) Hoje é dia 36/Um grito ele amou/Lençóis e colchas vão se encontrar”). Estou Não vá se perder por aí (“Você é bem grandinho, já pode se cuidar e ir seguindo seu caminho sempre errando até um dia acertar/ Mas não tenha tanta pressa, vá tentando devagar...”). Estou 2001 (“nos braços de 2000 anos, eu nasci sem ter idade/ sou casado sou solteiro/ sou baiano e estrangeiro/ Meu sangue é de gasolina, correndo não tenho mágoa/ Meu peito é de sal de fruta, fervendo num copo d’água”). Estou Qualquer Bobagem (“Chegue perto de mim, não precisa falar, acenda meu cigarro, não queria me agradar. Queira...”). Estou Algo Mais (“Olha meu irmão, vamos passear, vamos voar, dê a partida, acelera a vida, vamos amar...”). Estou Rita Lee (Rita Lee foi passear/ Vinte anos namorar talvez/ Dia azul e ela é infeliz/ Suas mãos estão vazias porque estão tão frias/ Tanto amor pra dar/ Ela quer ser feliz, ela só quer seu par...”). Estou Dom Quixote (“Vê, vê que tudo mudou/ Vê, o comércio fechou/ Vê e o menino morreu/ Vê, vê que tudo passou/ E os jornais todos a anunciar/ Armadura e espada a rifar/ Dom Quixote cantar na TV/ Vai cantar pra subir”)

“Giro aflito. Beijo e grito. Algo mais. Algo mais.”


# . por Joelma Terto .  0 Comentários