domingo, janeiro 26, 2003

“Eu vou assim e venho assim"

Eu tô podre. Podre, podre, podre. Não tenho voz, uma rouquidão absurda - mas disseram que tá sexy (?!?). Estou cansada, muito. Meu corpo TODO dói. Mas continuo no pique. Tanta coisa acontecendo, não dá vontade de perder nada. Está sendo maravilhoso.

Quando acabar tudo, preciso de descanso. E de uma massagem. Profissional.

(E só estou escrevendo tudo isso porque pedi arrego. Dormi. Fiquei em casa. Tentei botar as idéias em ordem. Sem muito sucesso. Me conectando com o resto do mundo. Ia na PUC à tarde, mas perdi meu crachá de imprensa, no meio da bagunça. Acabo de achar, assim, meio que por acaso. Valeu São Longuinho. Tudo tem sua razão de ser.)

“Só mesmo assim, só mesmo assim, assim. Um dia assim, um dia assado.” (Novos Baianos)


# . por Joelma Terto .  0 Comentários