sexta-feira, janeiro 10, 2003

Cinzamarelo

Às vezes sou tão feliz. Assim, sem motivo algum...

Eu tive um sonho cinzamarelo, não queria acordar
Eu tive um sonho cinzamarelo, vou voltar pra lá e vou pra ficar
Eu lembro da paz em meu peito, lembro do amor no ar
E levar as pessoas prum lugar feliz que sempre se quis
E lá só paparapá, paparapá, paparapá
No Vale de Lua, vi o sol nascer e sorri
Ele disse “meu filho, tudo é seu aqui, é só ser feliz”
E lá só paparapá, paparapá, paparapá

(Marcelo Jah, in Cinzamarelo)

(essa música me lembra, agora, Arambaré. Tenho que voltar naquele lugar. Lembrei do nosso estandarte. Lembrei de tanta coisa. Lembrei que segurei o estandarte enquanto cantava “Baião de Dois”, naquela tarde mágica - como todas as tardes, noites e manhãs - do dia 31 de dezembro. A rodar e rodar e quase cair no chão. E agora vivo. Nosso Jah, pessoa querida, tá certo: “ser feliz é viver, ser feliz é viver a vida”.)

“ah, meu baião de dois, meu feijão com arroz, minha querida...”


# . por Joelma Terto .  0 Comentários