segunda-feira, dezembro 16, 2002

Delírio coletivo

Gente do céu, essa eu preciso botar aqui. Domingo, fim de tarde, na Redenção, pertinho dos Arcos, por ali. Estávamos uma galera. Eu, Rafa, Montanha, o Barba, o Gabriel e um amigo dele, Adri, Amanda (filha da Adri, de 2 anos, a maletinha mais fofa e sapeca do mundo), Pablo, Carlito... Enfim, uma galera. Quando alguém olha pro céu e comenta “cara, que louco que tá esse céu!”. Putz, eu não sei nem o que dizer. Cara, o céu tava louco tranquis birinaitis mondjanesca total. Cores, formas, luz, textura. O cenário perfeito pra volta de Jesus Cristo ou pra anunciação da Virgem. Absurdo. Começamos a olhar e as nuvens formavam umas imagens crazy crazy crazy. Vimos uma cenoura, uma bunda, uma teta, uma cara do messias, com olho e tudo! uns casulos... E uns raios esquisitos pracaralhos surgiam do nada. Do lado esquerdo, um azulão. O troço no meio, avermelhado. E do lado direito, o caos mais perfeito, completo e absoluto. Juízo final.

E ia e ia e ia. E mudava e ficava mais louco cada vez mais. E nós lá, parecendo uns loucos, sentados na grama, assistindo àquilo, viajando horrores e cantando Geni e o Zepelin, devidamente puxada pelo Gabriel. E a Amanda correndo pra lá e pra cá. Putz, que momento!

Tiramos muitas fotos. Eu espero que elas possam traduzir um pouquinho o que foi aquilo. Bah, inesquecível. Atemorizante só um pouquinho e lindo pracaralhos!


# . por Joelma Terto .  0 Comentários