segunda-feira, dezembro 02, 2002

“Agora era fatal que o faz-de-conta terminasse assim. Pra lá desse quintal, era uma noite que não tem mais fim...”

Eu sei que já tô ficando chata como essa história de aniversário, mas queria fechar a gestalt aqui. Tô pra dizer que esse foi o aniversário mais festejado da minha vida. Que nem carnaval fora de época, foram 4 dias de folia, com um bloco que era pura animação. Eu fico aqui agradecendo às pessoas e pá, mas é porque merece. Pessoas da minha vida que estavam comigo, real ou virtualmente, vocês sabem o quanto eu as amo e o quanto vocês alegram meus dias. :~

Meu dia só não foi perfeito por causa do toró violento que caiu desde a manhã. Explico. Por causa da chuva, perdemos (eu e a Rafa) de ver o Pano de Roda, espetáculo (esquetes circenses mezzo nonsense mui engraçadas) montado na Redenção, com os grupos paulistas Parlapatões, La Mínima e Pia Frauss.

No sábado teve espetáculo, mas eu acabei não indo. Depois de uma intimação pública da Paula, optei por ficar em casa, conversando pelo ICQ com pessoas queridas distantes. Foi maravilhoso falar com ela, com o Vanildo e com a Drica. Essa última, que desde que foi pra Holanda, em 99, ano que vim pra cá, eu não tinha notícia. Mas outra hora falo sobre isso. Ou não.

Voltando ao espetáculo. A galera (mi, cucas, nina, bailarina...) foi e voltou encantada. Disseram que era muito engraçado. Os caras pegaram o Lucas e fizeram ele de trave de futebol. Eu queria muito ter visto isso! Como perdemos no sábado, íamos no domingo, mas teve que ser cancelado por causa da chuva. : ( Crianças frustradas. A Ladie, pelo menos, viu o finalzinho do sábado e ficou com gosto de quero-mais.

Conhecemos alguma pessoinhas encantadoras da trupe, que se juntaram a nós na comemoração, no sábado e no domingo à noite, com direito até a forró! Pessoas que já estão deixando saudades e que nos garantiram que essa oportunidade era única, pois não vai rolar mais por aqui. Se ligue quem tiver no nordeste e norte, pois no 1° semestre de 2003 eles estarão por aí. E era isso. Esperamos ver os grupos, pelo menos, separadamente, no 10° PoA em Cena.

Mas voltando aos festejos de aniversário, só pra deixar registrado que meu domingo foi intenso, foram 24hs quase non-stop. Muitos abraços, muitos telefonemas, muitos e-mails, muitas homenagens (“essa vai em homenàge”), os gentis comments de vocês que entraram aqui... No sábado, muitos festejos na janta na Rafa, niver da Juju, festa-show do Serrote, com direito a um Parabéns pra Você completo, com trombone do Professor Roberto e tudo, pra Mimi and me.

Mais presentes legais. A Milena, que me deu o Cinema Auditivo, do Wado (eu tenho só algumas músicas gravadas pelo Coelho); o Vanildo vai me mandar o cd do rinôçérôse e eu creio que vou amar. O “bombom de bacuri” do Alex, produtor da trupe paulista e pessoa mais engraçada que conheci nos últimos tempos...

Fim do inferno astral. Uma quase-balzaca feliz. Agora, é tudo novo.

“...pois você sumiu no mundo sem me avisar e agora eu era um louco a perguntar O que é que a vida vai fazer de mim?” (Chico)


# . por Joelma Terto .  0 Comentários