quarta-feira, novembro 27, 2002

A festa

O Plano A era o Garagem. Tava tudo certo: o Garagem reabriria e o Fernando reservou o dia 28 pra nós. Na semana passada ele disse a Mi que achava que não rolaria, mas só deu a resposta definitiva ontem à tarde, no momento em que eu chegava no Centro. Fui informada por uma mensagem no celular e não podia fazer nada naquele momento.

Só quando cheguei em casa, às 18h, pude correr atrás do Plano B: o Revolver. O Alemão disse que adoraria que a gente fizesse lá, mas todo o final de semana já está reservado. Shit. Agora temos um Plano C, um Plano D e um Plano E. Mas, nenhum me agrada realmente. Vai ser uma escolha difícil, mas temos que resolver essa história hoje, pra poder fazer convite, providenciar umas firulas (a festa é temática, mas não posso ainda revelar nada) e convocar os amigos. E será na quinta porque é niver da Márgara e da Mi. O da Aline foi segunda. E o meu é só sábado.

Então, se tudo der errado, encharcaremos a cara de Polar no Apollo. Não é pra tanto. Sou chinela, mas, porra, meu aniversário! Merece uma comemoração a altura. Essa festa tava programada há meses. Seria afudê, mas as tansas aqui não pensaram que a prefeitura não deixaria o Garagem em paz.

Não dá nada. Tudo dá certo no final, mesmo. Até beber Polar no Apollo será afudê. O que importa de verdade é ter os amigos por perto. Ganhar carinho. Abraços. Receber telefonemas. Dar risada. Nada me tirará do sério hoje. Tudo tem que ser calmo e silencioso. Tudo tem que ser baixinho, sussurrado.

(Gal e Erasmo cantam Detalhes, na Continental. Isso é realmente bizarro, agora, nessa hora.)

“mas quase também é mais um detalhe”




# . por Joelma Terto .  0 Comentários